NA ESFERA ARMILAR

As gerações presentes estão a ter o privilégio de assistir ao fim das culturas e das civilizações que foram atractivo e motivação de viajantes, aventureiros, aguerridos defensores dos seus espaços e da suas tradições, e que transformaram a esfera a que chamamos planeta Terra numa maravilhosa e surpreendente tela de imagens e cores diversas. Tudo isso se foi esbatendo sob o olhar deslumbrado pelos feitos científicos e tecnológicos, hoje muito mais interessantes do que o mundo criado – seja qual for a entidade ou átomo em que acreditemos – e a Natureza,que não desiste de competir com as maravilhosas criações do homem da modernidade, é vista não como a casa comum onde os seres despontaram para a Vida e se desenvolveram mas como uma produtora da matéria prima e de algumas curiosidades vegetais, geológicas e animai que os nossos descendentes herdarão se, entretanto, os augúrios que não crêem na eventual capacidade da recuperação que ela tem demostrado por tempos imemoriáveis  e que faz com que apesar da extinção dos dinossauros – como caberia cá a tão dotada e sempre crescente espécie humana com seres de tais dimensões vagueando por aí?… – a Natureza, em que mal reparamos porque a condução, os telemóveis, os interiores em que desenvolvemos as nossas actividades dificilmente nos permitem tais divagações, continua a acolher-nos generosamente com as suas deslumbrantes paisagens e, por vezes, com as suas fúrias.

Não há civilizações eternas. Muitas de cuja grandiosidade ainda se conservam laivos foram ‘assaltadas’ nas culturas que as constituíam e sobre elas, com bons pretextos, se trabalhou no sentido da sua extinção por um BEM MAIOR que acabou também ele por ser esquecido. Foi esse, a seu tempo e por mais de dois mil anos – uma insignificância no impossível cálculo da  duração da Terra – o labor da Civilização Ocidental, sob cujo nome , como símbolo de superioridade, tudo se tornou possível. Hoje penso ser possível dizer que, aparte algumas culturas suburbanas e temporárias movimentações idealistas, as culturas desapareceram há muito para dar lugar a uma coisa virtual chamada Cultura onde cabe tudo o que qualquer poder financeiro ou ideológico patrocina. O fim das culturas, tal como tantas vezes terá acontecido no passado, levou ao fim das civilizações, mesmo daquelas que mais resistiram a esse caótico ideal que dá pelo nome de ‘globalização’.

Em seu lugar temos hoje, pairando sobre a esfera armilar, uma coisa chamada Sociedade, composta de indivíduos e infestada de gente desorientada, uns procurando sobreviver, outros procurando desesperadamente o Poder e o dinheiro que, num tempo sem heróis, é o meio mais adequado para lá chegar. O TEMPO DAS PESSOAS ACABOU! Do seu desaparecimento que já há muito se vinha manifestando subrepticia e oficiosamente mascarado por convenientes humanismos e espirituais devoções, é hoje possível dizer que pretender ser ‘pessoa’ constitui uma  luta pessoal contra a indiferença social e ser destituído de ambições fora do âmbito que é o seu enquanto ser.

Vestimos as mesmas roupagens, apreciamos os artistas recomendados, somos tratados pelos mais evoluídos métodos científicos, desaparecemos discretamente sem ocupar espaço , falamos todos a mesma Língua desde que o Inglês, auto eleito pelo seu empreendorismo e força em língua comercial, se tornou uma espécie do malogrado esperanto que, felizmente, nunca teve força para se instituir como tal A Europa raramente transmite músicas ou filmes de outra proveniência que não a anglo.saxonica..

O mundo do Poder, entregue a fundadores de Fundações, gente para quem o excesso  de fortuna se não compensado por acções de bem-fazer se torna um perigo, assentou num rumo em que os governos se assemelham a fantoches destinados a distrair as populações e a transmitir-lhes a ideia de que participam do Poder. A verdade porém é outra!

A criação de novas comunidades políticas nacionais requer uma enorme transformação económica. Temos como exemplo as sociedades dos países asiáticos que enveredaram por economias que os integrassem no vasto mundo através de padrões de comércio mais variados. Por todo o lado aos membros urbanos da nova classe média – hoje bem difícil de definir – vai-se juntando um grupo de populações rurais tendo como suporte a Green Revolution. Serão eles os consumidores de computadores e televisões, de bens e serviços , de ensino superior especializado para os seus filhos em Inglaterra e nos Estados Unidos.Fala-se da ‘revolução burguesa’  mas ignoram-se as muitas gentes que ainda mal entraram no mundo moderno e da sua incapacidade de consumo, sem acesso de auto-integração no desenvolvimento social e econômico e cuja prioridade é apenas a sobrevivência.

Nesta Sociedade nada resta da defunta Civilização! Tudo e todos têm um preço pelo qual são avaliados e se auto-avaliam.Não há lugar para pessoas, porque as pessoas não têm preço.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s